post

Temple Of The Dog (1991)

Temple Of The Dog (1991)

Salve galera do A História do Disco, aqui estou novamente, Denis Borges para mais uma resenha, sou fã da cena grunge que teve destaque no início dos anos 90 e hoje trarei à vocês blogonautas uma raridade.

Lembro-me de ter pirado quando escutei pela primeira vez a música ‘Hunger Strike’. O que era aquilo? Chris Cornell e Eddie Vedder juntos, seria algo do Soundgarden? Do Pearl Jam não poderia ser, eu achava que conhecia tudo dos caras, e eles tinham apenas dois discos de estúdio gravados, um recém lançado aliás. Quando a música chegou ao fim o locutor disse o nome da banda: Temple Of The Dog. Sim meus caros, estou relembrando o tempo em que as novidades musicais chegavam no rádio primeiro.

Voltando ao anúncio do locutor, eu ficava pensando: que diabos é esse tal de Temple Of The Dog?  Seria uma banda que terminou e se transformou em Pearl Jam e Soungdarden? Várias suposições brotaram em minha cabecinha adolescente naquela época, e como ainda não existia internet, era praticamente impossível conseguir informações.

Um tempo depois, graças a um amigo, descobri que o trabalho do grupo era uma espécie de tributo. Esse amigo também não sabia ao certo o que era, mas ele já tinha o CD. É claro que eu já gravei aquela ‘fita esperta’, acredito que boa parte dos fãs desse blog viveram o tempo em que ficávamos com a fita no ponto para gravar a música do momento e no final torcer para o locutor não entrar no final e estragar tudo.

Divagações a parte, alguns anos depois descobri que Temple Of The Dog foi uma banda formada em homenagem a Andrew Wood, vocalista do Mother Love Bone, banda dos atuais integrantes do Pearl Jam (Jeff Ament e Stone Gossard), além de Cornell que dividia uma casa com Andy. Já conhecido no underground de Seatlle, Andy era promissor na cena e também era muito carismático, mas assim como muitos desta época, sofreu uma overdose e teve sua jornada interrompida.

Abalado, Cornell começou a escrever algumas músicas em homenagem ao amigo falecido e chamou Jeff e Stone para gravá-las. A trupe foi fechada com: Matt Cameron (que assumiria a bateria do Soundgarden, e atualmente é baterista do Pearl Jam), Mike McCready (quase guitarrista do Pearl Jam e também amigo de Wood) e o caído de paraquedas na história, Eddie Vedder. Inclusive este último gravou os backing vocals do disco e dividiu os vocais na faixa ‘Hunger Strike’. Eddie tinha acabado de chegar a Seatlle para substituir Andy como vocal do agora Pearl Jam. Na verdade, Eddie foi meio que inserido no processo como forma de se enturmar com os novos companheiros de banda e de cena. Até então ele ainda era o “desconhecido introspectivo” da fita demo com ótimas três músicas. Caso você caro leitor queira saber mais a respeito, basta acessar a resenha que fiz sobre o disco ‘Ten’ do Pearl Jam, inclusive no fim da matéria há um link para o trailer do documentário PJ Twenty.

O nome do grupo surgiu de uma canção de Andrew chamada ‘Man O Golden Words’. O lançamento do disco (homônimo) aconteceu em abril de 1991 e apesar de ter sido bem aceito no mercado, o disco apenas estourou depois do lançamento de Ten (Pearl Jam) e de Badmotorfinger (Soundgarden).

O disco tem uma sonoridade diferente da que Cornell fazia no Soundgarden, se aproximando mais ao que o Pearl Jam faria no disco Ten. E logo na música de abertura percebemos um tom mais sentimental, a bela balada ‘Say Hello 2 Heaven’ (Diga Olá ao Paraíso – tradução livre), passando por ‘Reach Down’ – 11 minutos de boa música – onde temos todo o talento de Mike McCready empunhando uma guitarra. A terceira faixa é uma das melhores coisas que aconteceram no rock de Seatlle e mundial, por que não? A simbiose das vozes de Cornell e Vedder tornaram ‘Hunger Strike’um dos maiores hinos dos anos 90, e a música mostrou aos integrantes do Peal Jam que eles acertaram em recrutar aquele tímido rapaz da Califórnia (Eddie é natural de Chicago). A faixa ‘Call Me A Dog’ também fez se ouvir pelas rádios, uma belíssima balada cheia de sentimento.

Fazendo uma análise geral vemos um disco com muito sentimento empregado, principalmente nas canções de Cornell. Percebemos que todos os integrantes já estavam prontos em relação ao papel que desempenhariam no rock mundial. O poder e o controle que Cris Cornell tem de sua voz e também de suas composições, a guitarra de Matt McCready já muito poderosa, Matt Cameron com muita técnica e competência na batera, e os pilares  Ament e Gossard. Cada músico teve destaque e muito valor no disco, transformando o álbum em uma bela homenagem à um amigo em comum.

Aqui o destino prega mais de sua casualidades, o fim do ciclo de uma pessoa que provavelmente se tornaria um dos maiores vocalistas do grunge, se torna o surgimento de um maiores nomes do rock mundial, Eddie Vedder.

Valew pessoal e até a próxima 🙂

Faixas do Disco

1 – Say Hello 2 Heaven

2 – Reach Down

3 – Hunger Strike


4 – Pushin’ Foward Back 

5 – Call Me A Dog

6 – Times Of Trouble

7 – Wooden Jesus

8 – Your Savior

9 – Four Walled World

10 – All Night Thing

Ouça o disco completo do projeto Temple Of The Dog.

Conheça mais sobre a relação entre Pearl Jam e Temple Of The Dog.

Assista o videoclipe da faixa Hunger Strike.

One thought on “Temple Of The Dog (1991)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *