post

Novos Baianos – Acabou Chorare (1972)

Novos Baianos – Acabou Chorare (1972)

Olá amigos e amigas do blog AHD, tudo bem com vocês? Eu sou Flávio Oliveira e hoje vamos falar mais de discos – esse artefato que amamos tanto e  que chegamos até a nos endividar para te-lo em nossa coleção.

Pois bem, quero falar de um álbum que me tocou e que soa como um dos mais completos da música popular brasileira, o disco rompeu com todas as manifestações musicais de seu tempo, e hoje em dia o mesmo se mostra muito além de nosso tempo. Prova disso é que o disco foi considerado pela revista Rolling Stone como a melhor obra da música brasileira de todos os tempos. Se preparem, pois hoje tem Novos Baianos com o “famosão” Acabou Chorare de 1972.

O ano de 1972 é marcado pela intensa atividade musical que tínhamos em nosso país. Logo após a ebulição do movimento tropicalista, tivemos uma porrada de artistas fazendo discos consideráveis, fato esse que nunca sabemos se vai ocorrer novamente no Brasil. Segue alguns discos que foram lançados nesta época: Os Mutantes e Seus Cometas no País dos Baurets (o último com Rita Lee Jones), Hoje é o Primeiro Dia do resto de Sua Vida (primeiro disco solo de Rita Lee), Clube da Esquina, Caetanos Veloso com o disco Jam Sessions  Transa, entre outros. Assim, dá pra sentirmos como a música brasileira vivia seus momentos dourados. Levando em consideração essa pincelada que dei nos discos da época, não poderia deixar de falar desse álbum clássico que é o Acabou Chorare.

Esse disco é importantíssimo na carreira da banda, que vinha buscando legitimidade em seu som, e a mesma pode contar com o auxílio de João Gilberto. O primeiro disco da banda É Ferro na Boneca (1970) é uma belíssima obra que conta com o rock psicodélico brasileiro, com guitarras extremamente agudas de Pepeu Gomes e com letras que falavam das viagens dos Baianos. Vale já citar inclusive a formação da banda: Baby Consuelo (Vocal), Moraes Moreira (Vocal e Violão), Pepeu Gomes (Guitarra), Paulinho Boca de Cantor (Vocal), Dadi (Baixo) e Luiz Galvão que junto com Mores compunham as canções da banda. Isso sem contar mais uma galera que fazia parte da trupe chamada Novos Baianos. A banda se formou quando todos se encontraram num espetáculo em Salvador, o que vem depois é história.

O álbum Acabou Chorare ganhou notoriedade e importância no cenário nacional e internacional por mostrar como a sonoridade da banda era autêntica. Além de ser um virtuosíssimo guitarrista – o melhor do país, na minha humilde opinião – Pepeu Gomes conseguia unir o útil ao agradável quando tinha a genialidade  de fazer rock ao estilo Hendrix, misturando-o com baião, xote,  entre outros ritmos regionais de nosso país. Então se você pretende ouvir uma mistura de som, esse é o disco.

Os Novos Baianos pegar a estrada rumo ao Rio de Janeiro com a intenção de melhorar a carreira, chegando lá foram morar num apartamento. Os integrantes da banda viviam num estilo hippie de vida e não era bem vistos pela sociedade moralista da época  – é importante lembrar que o país vivia sob um intenso regime militar, e que ainda hoje o moralismo faz parte da essência social brasileira – e por isso o grupo decidiu morar junto em um sítio em Jacarepaguá É neste momento que a banda é apadrinhada por João Gilberto, que conhecia desde pequeno o jovem Galvão. Chega a ser estranho pensar que João, com todo aquele seu jeito fechado e meio ranzinza ia curtir a galera dos Novos Baianos, digo isso porque seu estilo , a Bossa Nova, tinha elementos que não iam de encontro com o que a banda propunha: sonoridade rock ‘n roll com guitarras bem heavy metal. João gostava tanto da banda que auxiliou no processo de formação do conceito do disco e ajudou o grupo a definir seu estilo, algo que ainda estava em questionamento.

O disco começa com uma canção do artista brasileiro Assis Valente – indicado por João Gilberto – que casou muito bem com o que a banda queria. Sem dúvida alguma é uma faixa que deixa o ouvinte boquiaberto, ainda mais por ser a primeira, e nela fica bem explícito que os Baianos não estavam de brincadeira, eles queriam mesmo era colocar o Tio Sam pra tocar pandeiro. A segunda faixa é Preta Pretinha, composta por Galvão e Moraes. Quem nunca ouviu essa música nos barzinhos afora, hein? Ela é tão tocada até hoje que chegar até a ser um porre (brincadeira gente haha).

Em si o álbum tem seus momentos de alegria, de rock n roll – Tinindo Trincando – e canções feitas por Galvão e João que deixa todos impressionados pela forma de tocar violão e cantar destes integrantes. Na faixa A Menina Dança – que posteriormente seria gravada por Marisa Monte – temos Baby mostrando todo seu talento e fazendo com que a música fosse um verdadeiro sucesso.

Vamos ao nome do álbum, este que veio de uma expressão que João usou para com sua filha, que ao cair no chão começou a chorar e ele em seguida disse: Calma, acabou chorare.

Sem estender a nossa conversa, eu espero que você caro leitor pegue e ouça esse disco imediatamente, eu simplesmente amo esse disco, e não é atoa que na época o mesmo teve vários canções nas rádios e ainda hoje impressiona à todos com sua tremenda sonoridade. Ainda vale citar que, Acabou Chorare é considerado um dos melhores discos da música brasileira e em 2017 ganhou um álbum ao vivo comemorativo, já que a trupe resolveu se juntar novamente. Do mais, é isso gente. Este belíssimo disco é importante, feroz e vocês tem que ouvir. Um forte abraço, até a próxima!

Faixas do Disco

1 –  Brasil Pandeiro

2 – Preta Pretinha

3 – Tinindo Trincando

4 – Swing de Campo Grande

5 –  Acabou Chorare

6 – Mistério do Planeta

7 – A Menina Dança

8 – Besta é Tu

9 – Um Bilhete pra Didi

10 – Preta Pretinha (reprise)

Ouça o álbum Acabou Chorare inteiro.

One thought on “Novos Baianos – Acabou Chorare (1972)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *